sábado, 9 de março de 2013

Luxemburgo - o novo capítulo!

O blogue ganha nova vida com mais uma aventura. Desta vez o destino foi a Europa continental e encravado  entre a Bélgica, França e a Alemanha.

O Luxemburgo é conhecido por ter uns quantos tugas, por ser pequeno, um paraíso fiscal e por ser caro como o caraças. Mais informações sobre o Lux pode ser consultado aqui

Ora bem, o que é que eu vim para aqui fazer como é que isto aconteceu.

Uma história simples mas, como quase tudo na minha vida, não completamente linear. 
Aqui há uns meses tinha-me candidatado aos estágios da Comissão Europeia. Já o tinha feito antes mas sem sucesso. 

Em Novembro do ano passado recebi um mail a dizer que tinha sido pré-seleccionado. Uhhhhuhhhhhh alegria contida, isto ainda pouco queria dizer.

Lá esperei por um contacto, um telefonema para uma entrevista. O tempo passou e nada. Em Janeiro recebo um mail a levar a nega que eu já adivinhava por não ter sido contactado. 

Andava eu na minha vida a pensar que raio havia de fazer com ela quando de repente recebo um mail a dizer que tinha um estágio no Luxemburgo. Entre a perplexidade e a surpresa acho que fiquei feliz com a notícia. Nem me lembro bem :P

Tinha de dar uma resposta rápida. Menos de uma semana para decidir. É uma grande oportunidade mas tinha que ser pensada. O que pagam não é muito e eu tenho de sobreviver com esse dinheiro. É complicado mas acho que me conseguir safar com maior ou menor dificuldade.

Havia que marcar viagens, alojamento para os primeiros dias e alojamento permanente. Este último é quase um pesadelo nesta terra. 

As casas são caríssimas! Os preços são os mesmos ou mais alto do que em Londres.

Felizmente encontrei ajuda no companheiro ex-Contacto que é praticamente um local e meu tem dado uma grande ajuda. Foi ele que veio dar uma vista de olhos na casa onde estou actualmente porque o que se vê nas fotografias muitas vezes não corresponde à realidade. Felizmente encontrei uma casa muito fixe, com umas condições muito boas e a um preço que, não sendo baixo, é muito competitivo tendo em conta o panorama luxemburguês. 

A coisa chata desta casa é mesmo a localização por causa das linhas dos autocarros. Só tenho uma linha disponível, que não passa com muita frequência e que acaba relativamente cedo. Limita-me um bocado os movimentos e isso chateia quando temos pressa de chegar a algum lado. Mas eu vou-me adaptando e fazendo a minha vida em função disto a ver se as coisas correm melhor.

Entretanto já comecei a trabalhar e já tive uma viagem de trabalho a Bruxelas para a abertura oficial dos estágios. Gostei muito e tenho que agradecer a hospitalidade do grande amigo e companheiro ex-Contacto Diogo que me deu guarida por uma noite. Foi ainda uma boa oportunidade para rever a Inês, uma amiga que eu já não via há uns anos e que tem alguma responsabilidade no facto de eu aqui estar, ela sempre me motivou a concorrer. Em Abril espero vê-los de novo.

Até ao início desta semana que acabou esteve um frio do caraças, melhorou um bocado mas ouvi dizer que amanhã vai nevar. Mais frio...que alegria, ou então não...

Aqui vão umas fotos aqui do burgo.


Grund

Vista do quarto do hostel onde fiquei uns dias. Muita neve nesse dia.
Agora sem neve.

Vista panorâmica da zona acima do hostel e a caminho do centro da cidade.


Primeira sessão de trabalho na Comissão.




Vista no centro da cidade.


Mais uma no centro.

Place d'Armes

Grund visto de cima.

Grund já em baixo. 

O elevador que nos leva a Grund fica aqui ao lado mas já não me lembro qual é este edifício do governo.

Agora uns detalhes de Bruxelas.

Place du Luxembourg

A famosa estátua do puto.

Reparem no detalhe da figura do sinal, ali no quadrado azul. Lindo!

E estão oficialmente abertas as hostilidades!
Tirando o detalhe de eu me ter perdido e ter chegado mais de meia hora atrasado a esta sessão solene, aquilo até correu bem e houve champanhe à borla depois.


terça-feira, 19 de junho de 2012

Memória sensorial


Se não estou em erro a memória sensorial é, por exemplo, um cheiro que nos faz recordar alguma situação que por qualquer motivo nos marcou.

Aqui há tempos quando veio calor com fartura e deu para ir à praia, recordei um dos meus cheiros preferidos e que melhores memórias me traz.  Adoro o cheiro que fica na pele e na roupa depois de um dia de praia. O cheiro do sal do mar misturado com areia e o protector solar. É uma mescla estranha?! 
Alguns acharão que sim mas eu adoro. Traz-me tão boas memórias de infância, adolescência e já de idade adulta.

Ir à praia é sempre motivo de festa para mim. Ir à praia é das coisas que mais gosto de fazer na vida e que mais feliz me deixa. Sozinho ou acompanhado, o que eu gosto é de meter os pés na areia e atirar-me para o mar.

A minha pancada chega a pontos caricatos. Por exemplo: quando soube que me ia ter de mudar para a Tunísia (razão primordial para a criação do blog) eu fiquei tristíssimo e tão em choque que nem conseguia visualizar onde é que o país era mas, quando cheguei a casa e fui ao Google Maps, fiquei muito mais satisfeito porque ia ficar a viver na costa com o mar ao meu lado.
O cheirinho a mar que se entranha na pele no fim de um dia na praia é algo único.

Será que sou o único? Espero que não, isto quase parece uma cena meio fetichista :P

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Cada tiro...

...cada melro, como diz o povo.


Mais uma nega, mais um falhanço, mais uma frustração.


Isto vai bonito vai. Vai uma bela merda!

terça-feira, 29 de maio de 2012

Estranhas sensações

Ando com a estranha sensação que há uma série de pessoas que estão zangadas/aborrecidas comigo e eu ainda não percebi bem porquê.


Há uma pessoa que decidiu afastar-se completamente de mim e aí tive uma ponta de culpa. Arrependo-me todos os dias mas o facto de querer tentar corrigir um erro e realmente precisar da amizade dessa pessoa não chega. Entristece-me muito e parte-me o coração mas também mais não posso fazer.


As outras pessoas que me dão a sensação de estarem de mal comigo é que ainda estou para perceber que mal é que eu fiz. Se calhar está tudo na minha cabeça e eu é que estou a fazer filmes e a imaginar coisas, mas acho estranho...


Não sei se o facto de ter estado a viver fora uns tempos habituou as pessoas a não me terem por perto e por esse facto ignorem, propositadamente ou não, a minha presença por estes lados.
Sinceramente às vezes sinto-me persona non grata por estes lados.


Chateia-me um bocado ser o gajo que esteve sempre lá, sempre presente, sempre disponível para as pessoas e que o contrário quase nunca seja verdade ou se aplique.


Se calhar está tudo na minha cabeça, se calhar não...às vezes as minhas conjecturas até são verdade.


Isto ajuda a que a vontade de ir de novo embora cresça todos os dias, se a oportunidade ao menos surgisse...